Quantidade de Espreitadelas

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

2012... 2013

 
2012 foi um ano de luta, como sempre se tem pautado a minha vida; de algumas coisas menos boas, mas imensas fantásticas...
Foi um ano de mudança, de aprendizagens, de crescimento!
 
Serena me encontro ao olhar para trás, tal como serena estive durante todo o ano.
Sem mágoas. Sem ressentimentos. Ao contrário do que sempre acharam que estava e quiseram fazer com que assim não me sentisse!
 
 
 
2012 foi um grande ano!
Não ganhei o euromilhões, é certo, mas ganhei um sobrinho, fortaleci amizades, viajei, trabalhei, tive saúde. Amei.
 
De 2012 quero apenas lembrar as coisas boas.
Tento esquecer os momentos em que chorei e me senti exausta da vida, em que questionei se merecia passar por mais uma provação. Resolvi mandar esses sentimentos negativos para uma espécie de "inceneradora", para serem destruidos de vez.
No entanto, tenho de confessar que foram nesses momentos que renovei energias e me fortaleci para as batalhas seguintes.
 
2012 ofereceu-me a possibilidade de passar pela peneira aquilo, e quem, realmente vale a pena fazer parte da minha vida. Já era tempo de tal.
 
2012 está no fim.
Deu-me experiência.
Mas a experiência é uma candeia que trazemos às costas e que ilumina apenas o caminho percorrido. É passado.
 
Venha 2013, e com ele a minha fé se mantenha ou aumente.
Porque eu não sei se o futuro existe, nem o que está reservado para mim, vou continuar a plantar o amor por quem me rodeia e por tudo o que faço. E agradecer a Deus todos os dias a oportunidade que me dá para ver o sol nascer, pôr-se e eu viver aquilo que tiver de ser...
 
Porque é AGORA que estou aqui e que vivo este momento... Que o Novo Ano que se avizinha vos dê, e a mim também, 365 dias de oportunidades, de viver com alegria, de sorrir sem razão, de perdoar quem nos magoa, de amar sem limites!
De acreditar e de agradecer!
Todos os dias!
 
 
E no final possamos dizer: 2013 foi um grande ano!
 


quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Se soubessem...

"Relacionar-se com as pessoas nem sempre é fácil. Aliás, o relacionamento com algumas pessoas é muito difícil ou, por vezes, impossível.
Gostaria que isto fosse mais normal, mas é que as próprias pessoas complicam muito.

Para mim, ou eu gosto ou não.
E aquelas que classifico como o "não", eu respeito. Dou-lhes apenas minha simpatia.
Acho suficiente e educado assim. Pois na verdade, gostar e amar é troca. 

E se sinto amor por alguém, é porque esse alguém também me oferece amor. 
E a gente se entende.
Cresce junto.
Plantando alegrias, compreendendo e ajudando um ao outro.
Amando.

Se as pessoas soubessem respeitar mais as escolhas e sentimentos uns dos outros, seria tudo mais fácil...

Aprendendo, sempre, que a minha felicidade independe do gostar ou não das pessoas.
E que tenho o meu valor.
E que ser FELIZ incomoda muita gente.
E, claro, eu canso-me mas não desisto de ser cada dia melhor e espalhar amor. Mesmo que o outro não queira!
CORAGEM... é o que não me falta!"

(Cidinha Araújo)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Apesar de tudo...

"Caminha placidamente por entre o ruído e a pressa, e lembra-te da paz que existe no silêncio.
Tenta, na medida do possível, estar de bem com todos.
Exprime a tua verdade com tranquilidade e clareza. Escuta quem te rodeia, inclusive as pessoas desinteressantes e incultas; também elas têm uma história para contar.

Evita gente conflituosa e agressiva que tanto mal faz ao espírito. Se te comparares com os outros poderás tornar-te amargo ou arrogante, pois haverá sempre alguém melhor e pior que tu.

Regozija-te com as tuas conquistas e os teus projectos.
Mantém vivo o interesse pela tua carreira por mais humilde que seja, é um verdadeiro bem, nesta época de constante mudança.
Sê prudente nos teus negócios – o mundo está cheio de armadilhas. Mas não feches os olhos à virtude que existe em teu redor, nem às pessoas que defendem os seus ideais e lutam por valores mais altos – a vida está cheia de heroísmo.
 
Sê tu próprio.
Acima de tudo, não sejas falso, nem cínico em relação ao amor que, face a tanta aridez e desencanto, se mantêm perene como uma haste de erva.

Aceita com serenidade a passagem do tempo, sabendo deixar graciosamente para trás as coisas da juventude.
Cultiva a força de espírito, para te protegeres de azares inesperados. Mas não te atormentes a imaginar o pior. Muitos medos nascem do cansaço e da solidão. Mantém uma autodisciplina saudável mas sê benevolente contigo mesmo.

És um filho do Universo, como as árvores e as estrelas. Tens todo o direito ao teu lugar no mundo.
Poderá não ser claro para ti, mas a verdade é que o Universo está a evoluir como previsto. É importante, assim, que estejas em paz com Deus, seja qual for a tua concepção d’Ele, e em paz com a tua alma, sejam quais forem os teus anseios e aspirações no ruidoso tumulto da vida.

Apesar de todos os enganos, dificuldades e desilusões, vivemos num mundo bonito.
Alegra-te. Luta pela tua felicidade."
(Max Hermann, Desiderata 1927)

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Assim caminhamos...


Ando a "remoer" há algum tempo um dos problemas que mais me aflige no meu trabalho... e para quem tenho de trabalhar TODOS OS DIAS! 

É assim:
- Em 2009 INVENTARAM a escolaridade obrigatória até ao 18 anos e/ou 12º Ano;
- As respostas formativas para os miúdos destas faixas etárias foram, em meu entendimento, tratadas como "MEDIDAS DE PRONTO A VESTIR", integradas na escola ou, simplesmente, deixaram de fazer parte de uma resposta...
- Há adolescentes a quem a escola nada lhes diz, confrontam adultos e pares diariamente, causam distúrbios nos espaços escolares, entram em absentismo e, consequentemente, em abandono... Por tudo! Pelos modelos que "copiam", pela desvalorização, pela auto-estima, pela falta de recursos...
- No inicio deste ano vi anunciar-se o fim do PIEF (Programa Integrado de Educação e Formação) no modelo que vigorava, para "inventarem" algo parecido que mais se assemelha a um projecto que primeiro que avance, o tempo passa, os miúdos crescem, e o objectivo inicial... perdeu-se!
- Acabo de ouvir que o ensino secundário PÚBLICO vai ser alvo de propinas...

Terei ouvido bem???

Então, se a escolaridade é OBRIGATÓRIA até ao 12º Ano, não deverá a mesma ser GRATUITA...???? 

Não tenho bola de cristal, nem sou arraçada de bruxa, mas tenho a FORTE sensação de que a ausência de sensibilidade, a completa ignorância e incompetência dos governantes deste país, que adoram fazer experiências com o povo, vai fazer crescer o número de casos de abandono escolar nas Comissões de Protecção de Crianças e Jovens e, consequentemente, nos Tribunais... E cá estaremos para bater com a cabeça nas secretárias, ouvir as lamentações dos pais que "não tem dinheiro para pôr comida na mesa, quanto mais mandar os moços para a escola!!!", e não saber o que fazer...

Perante isto, só me apraz soluçar que as ditaduras vingaram pela ignorância das pessoas...

... E para lá caminhamos...

domingo, 25 de novembro de 2012

Assim...

 
 
... O novo irá substituir o antigo...
... E não pode deixar de se lembrar que tudo tem uma razão de ser, e que amanhã é sempre outro dia...
... E que a vida é feita de fases, começos, fins e recomeços...
 

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Amor Espiritual

"O amor espiritual é ter um coração grande capaz de acomodar o mundo inteiro.
 
O amor é a qualidade principal em qualquer relacionamento, mas o amor espiritual é aquele que jamais causa tristeza. Em primeiro lugar, é amor pela verdade, e quando há a experiência da verdade no eu, o amor torna-se um fogo que destrói a negatividade.
 
 
No amor espiritual há a experiência da individualidade sem ser individualista. É um amor doador, que não busca retorno, assim como o Sol não procura reconhecimento do seu brilho. Não cria dependência, é real e puro.
Quando consegue afastar-se do egoísmo e do apego, você pode dar força espiritual, isto é, amor espiritual aos outros.
 
Não há necessidade de pensar que você precisa ter misericórdia com essa pessoa, ou precisa ter respeito com a outra. O respeito e a misericórdia são naturais. O sentimento de benevolência reina e a compreensão orienta os passos".
 
(Ken O' Donnell/Brahma Kumaris)

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

O caminho

"Quando pensamos em viver o melhor possível, tendemos a cair na asneira de achar que viver bem é viver na ostentação, no conforto e mais… livremente (ou será levianamente?) que também pode ser, desde que se dê relevância, ao que é mais importante: a nossa evolução espiritual; o suplantarmo-nos, o transcendermo-nos.
Esta é a nossa verdadeira missão na Terra e é a última coisa em que pensamos...
 
Mais tarde ou mais cedo, todos, sem excepção, vamos atingir a Iluminação, então porque não começar já a trabalhar nisso?
 
 
"Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho." (Gandhi)


Muitos de nós cravam os olhos no horizonte, no futuro, nos objectivos e acabam por perder o agora, o próprio caminho, todos os bons momentos, os pequenos e grandes detalhes tão importantes, os pequenos e grandes eventos/lições do dia-a-dia.
 
É claro que quando chegam – os que chegam - à conquista, o sabor da vitória é quase insípido e efémero.
Não será o segredo da vida viver cada dia como se fosse o último?
E quem nos garante que não será?
 
Deveríamos dar mais valor ao que temos, em vez de nos deixarmos consumir pelos desejos que nunca acabam e são cada vez maiores..."
 
 
Vera Xavier

 

domingo, 18 de novembro de 2012

O tamanho de cada um...

Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento...
 
Uma pessoa é enorme para si quando fala do que leu e viveu, quando o trata com carinho e respeito, quando o olha nos olhos e sorri destravado. É pequena quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria de demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a parceria nos sentimentos e nas acções.
 
Uma pessoa é gigante quando se interessa pela sua vida, quando procura alternativas para o seu crescimento, quando sonha conosco. E pequena quando se desvia do assunto.
É grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela mas de acordo com o que espera de si mesma. É pequena quando se deixa reger por comportamentos estereotipados, comuns...
 
 
 
A mesma pessoa pode parecer grande ou pequena num relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas.
Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo.
 
É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas agigantam-se e encolhem-se aos nossos olhos.
O nosso julgamento não é feito através de centímetros e metros, mas de acções e reacções, de expectativas e frustrações.
 
Uma pessoa é única ao estender a mão e ao recolhê-la, inesperadamente, torna-se mais uma. O egoísmo unifica os insignificantes
Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande... É a sua sensibilidade, sem tamanho...
 
 

Amigo..

"Os que se colocam com sinceridade nas conversas, em geral, acabam cativando com sua postura aquelas pessoas que buscam relações verdadeiras.
 
As verdadeiras relações de amizade derivam das conversas íntimas e, através delas, da constatação da existência de afinidades importantes.
 
Amigos de verdade são os que jamais usam o que sabem contra nós, que se divertem conosco até quando as conversas são tolas, não nos julgam.
 
 
"Amigo" é termo que deveria ser reservado exclusivamente para aqueles que conquistaram nossa confiança e de cuja lealdade não duvidamos"
 
Flávio Gikovate

A mania de bloquear o Amor!

"As pessoas não demonstram o que são por medo, criando, então, uma inverdade no seu ambiente. A imagem que passam, não é a real, uma vez que estão passando o que convém e não o que realmente são. Gerou-se assim a mentira, como sendo uma coisa boa, pois é melhor mentir inventando uma falsa imagem, que colocar-se como realmente se é.
 
O que não é verdade, não está dentro da realidade. Então o outro acaba por sentir uma sensação de insegurança em relação a nós. Isso porque a sua mente guardou a idéia de que aquilo é falso. Nós podemos esconder as palavras, mas a energia fica impregnada em nossa aura.
Aquilo que passamos não é de confiança...
 
A verdade gera uma energia de luz, pois tudo o que é feito com o coração tem luz, pois reflete o nosso melhor. Esse melhor não está como supomos, naquilo que idealizamos como bom, mas sim naquilo que reflete a nossa essência.
A Luz que foi gerada com esse melhor estará refletida, em todo o seu ser e você acaba por transformar-se em luz.
 
Quando as pessoas olharem para si, sentirão uma inexplicável sensação de bem estar do seu lado. É como se o outro nos pudesse ver por dentro. Vê-nos por inteiro, pois não estamos escondidos, mas nos colocámos todos para fora. E nós estamos inteiro, pois passámos a nossa verdade.
Como consequência torno-me transparente e as pessoas começam a sentir-me, como nutritivo e vão querer estar sempre ao meu lado.
 
Se eu esconder o meu amor com medo de sofrer, não vão senti-lo em mim. A consequência é que não vão passar amor de volta... Sentem-se inseguros em relação a mim.

Se o outro não puder sustentar-se no meu amor vai duvidar do próprio sentimento, não se definindo se quer ou não ficar comigo. Ao ocultar o meu sentimento acabo por ocultar-me a mim mesmo, pois eu não sou outra coisa, a não ser aquilo que passo para os outros, através de minhas atitudes.


 
Se não me sinto feliz, é porque estou brincando às escondidas com a felicidade... Como? Eu escondo o que sinto e o outro não vê firmeza em mim e vai esconder-se também.
Não tem piada alguma, pois nesta brincadeira perdemos os dois... Ao nos olharmos, vamos achar o que o outro quis mostrar e não o que realmente é. Ficamos infelizes, pois por medo de sofrer, escondemos os nossos sentimentos e começámos a viver a ilusão, daquilo que na nossa mente conturbada convém ser. Isso dói e magoa, pois não nos põem em contacto com o amor puro e verdadeiro, mas priva-nos do contato com a própria felicidade. Torna-nos cegos, pois não percebemos o que fizémos para atrair tanto sofrimento. Por medo de sofrer e desiludir-se, ficamos na mão do outro, que poderia aproveitar-se da situação.
E acabamos por não dar a oportunidade de se viver um grande amor.
Passamos, então, a achar que o amor não existe e, realmente, não vai existir para aqueles que fugiram dele por medo de sofrer.

Ao fugir do amor eu não quis vê-lo, fazendo-o sair de meu consciente. Isso fez com que eu perdesse o contacto com esse sentimento.
Não querer ver as coisas na nossa vida, faz com que os sentimentos fiquem retidos, intriorizados no nosso subconsciente, chegando mesmo até a ficar inconscientizados na zona anímica do cérebro.
O fato de perder o contato com aquilo que ficou intriorizado, faz com que não trabalhe o que precisa ser trabalhado.

Mas a vida quer que eu trabalhe as coisas sem fugir delas. Então, aquilo volta, somatizando-se através de distúrbios, doenças que irão causar depressão, ansiedade e outros males, para que eu possa procurar a causa.

Neste momento percebemos alguma coisa desajustada, pois parece que a vida se desencaixou. As coisas não fluem bem, causando uma sensação de vazio interior.
Como os relacionamentos afetivos não se encaixam, fica-se com uma sensação de que falta algo sem que se saiba detectar o que é.
Muitas vezes chega-se a procurar um psicólogo para poder encontrar as respostas, naquilo que não consegue aceder sozinho.
Então... Solte-se, solte a vida, saia do controlo!...

Quando queremos controlar tudo, tudo fica descontrolado, pois as coisas, pessoas e factos, têm um fluxo normal dentro da vida. Quando tentarmos mudar esse fluxo através do nosso controlo, tiramos aquilo do seu caminho natural.
Então a nossa realidade vai ficar distorcida, porque saímos do nosso melhor. O melhor é não segurar nada, não controlar nada e não segurar os sentimentos, emoções e acções, soltando-se pra ser feliz.

Quando ficamos do lado da vida, respeitando o fluxo normal da natureza, passamos a ser respeitados por todos e, principalmente, vamos estar bem conosco!"

 
(Jandira Moraes)

domingo, 4 de novembro de 2012

Ser eu própria para sempre!

E um dia encontramos algo que nos explica:
 
"Quase imperceptivelmente, a certa altura da minha vida, comecei a sentir que, por muitas que fossem as garantias e certezas que a cabeça me dava, havia em mim um coração ansioso, cheio de desejos e dúvidas. E que, para preencher esse vazio aparentemente inexplicável, teria de ousar ouvi-lo, aceitá-lo, acolher-lhe os sinais sem o questionar, admitindo com simplicidade que o caminho deveria ser por onde ele me estava a levar.
 
Para me sentir bem comigo bastará então entusiasmar-me pelo que faço. Mas isso implica aceitar que sou tanto feita de luz como de sombra. Que a capacidade para voar que tenho está assente em pés de barro sem os quais me perco de mim. E que a minha valentia consiste em assumir os meus medos.
 
Houve um dia que, ao começar a escutar sobretudo o meu coração e a obedecer-lhe às ordens, passei a ser dona da minha vida.
 
 
Demorei, no entanto, a aperceber-me de como a luz que me anima está impregnada de sombras que por vezes me tolda o ânimo. E sobretudo a aceitar que não posso pretender eliminar esse lado não luminoso que afinal também tenho.
 
Que só estou inteira, no máximo das minhas potencialidades em tudo o que faço, se fôr fiel a mim própria quaisquer que sejam as circunstâncias da vida. Se confiar em mim, sem medo de mostrar quem sou, o que sinto e o que em cada momento quero - ou não. Se me amar e respeitar sem depender do resultado dos meus actos - e por tabela atrair quem me ame mais pelo que sou do que pelo que tenho.
O que implica ter de me confrontar com algo em mim do que eventualmente não goste ou até me envergonhe. E também com aquilo que critique ou despreze nos que me rodeiam.
 
Através de convites à mudança cuja força superava a da minha resistência - ou até mesmo derrocadas em que muita coisa se desmoronava dentro de mim -, fui então a pouco e pouco descobrindo aquilo que considero ser o compromisso que eu mais gosto de assumir:
 
QUERER SER MINHA PARA SEMPRE!
 
Até porque é só em mim que posso sempre apoiar-me."
 
 
(In "ATALHOS DO AMOR", Mª José Costa Felix)

Duas vezes...

Às vezes dou por mim a pensar se o facto de se demonstrar afecto por alguém, tal não afasta esse alguém de nós...
Nem sempre as pessoas que se cruzam conosco, que estão, que partilham momentos ou o quotidiano, estão preparadas para amar e, consequentemente, para receber amor.
 
E o amor não tem, necessáriamente, de ser um género de equação matemática entre um homem e uma mulher. O amor é muito mais que isso. Estrondosamente mais que isso.
 
Tenho perfeita noção que há quem me considere "alucinada" ou "excêntrica" ou mesmo "fanática". Claro que me rio com tais descrições. O riso confunde ainda mais as pessoas e dá-lhes a certeza de que somos o que não somos.
 
Ninguém nos conhece mais do que nós mesmos. Nem a nossa mãe.
Mas para tal, é preciso que despertemos o nosso "eu", o amor por nós...
E quando tal acontece, o tal despertar, é algo tão imenso e intenso que só apetece partilhar sem pedir nada em troca.
Porque aquilo que somos é infinitamente fantástico.
 
Tantas vezes me apetece dizer "EU AMO-TE", mas as más interpretações de quem ainda não despertou para o AMOR travam-me a vontade de o fazer. E por isso sorrio. Ofereço sorrisos. Sem medo de ser apontada. Porque a sociedade das "pessoas pequenas" aceita melhor um sorriso do que um "EU AMO-TE".
 
E o curioso é que, quanto mais precisamos, mais fugimos. Por medo de perder.
Porque perder é recuar, dizem.
 
Eu??? Eu escolhi amar.
E escolhi perder aquilo que pouco importa.
E  escolhi ganhar aquilo que quase sempre passa ao lado de olhos que não vêem.
No amor ganha-se sempre, entendo eu.
Ganha-se, principalmente, VIDA!
 


sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Rir...

"Já fui a criança inocente que vê alegria na mais simples das flores e aventura em todas as esquinas. O medo não me tocava pois eu era imortal!
Hoje os meus olhos estão cerrados pelas cortinas da dor e nada vejo.
Quanto à esquina… Evito-a andando em frente, pelos caminhos que já conheço e não me podem surpreender!


Não podemos voltar atrás, isso é um facto mas porque é que temos de deixar de brincar? Porque é que temos de perder essa inocência e espontaneidade que tantas alegrias nos trouxeram e ainda podem trazer?
Talvez porque essa seja a maneira que a sociedade encontrou de nos “meter na linha” e formatar.

Aqueles que resistiram e conseguiram guardar alguma candura e continuaram a dar asas à sua criança interior são olhados com reprovação e crítica.
É claro que ser adulto acarreta uma boa dose de responsabilidades e obrigações, mas o corpo humano consegue albergar de tudo um pouco e, com certeza, que também conseguirá encontrar um pouco de espaço para o nosso lado alegre.

Uma boa gargalhada dada com vontade faz com que recarreguemos baterias, faz com que perspectivemos tudo de uma forma leve, já para não falar no bem que faz aos abdominais!"
 
(Vera Xavier)
 

 

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Saudades...

Entrou na minha vida sem que eu quisesse. E nela pernaneceu cinco anos.
Meu companheiro. Meu amigo. Minha paixão.
Sem que eu desse conta, envolveu-me com aquele olhar reguila, sempre pronto para fazer mais uma patifaria.
Mas mimoso. Tão mimoso que me deixava apertá-lo e dar-lhe milhões  de beijinhos.
 
Com ele aprendi a gostar do silêncio. Aprendi a distinguir passos. Apaixonei-me!
Nos seus momentos de doença, sofri. Chorava e pedia a Deus que não me o levasse.
E sempre me agradeceu. Porque me confortava SEMPRE quando me sentia mais triste!
 
 Não gostava de apertos, de mimos. Fazia-se dificil... Mas adorava dormir no meu colo, ou nos meus braços.
 
Rio-me dos imensos momentos em que me passava com tanta asneira, para logo a seguir reparar que me olhava com aqueles olhos tortos e semi-cerrados, como que a dizer: "Deixa-te de bla bla bla e dá-me um beijo!". E eu dava!
 
Os tapetes perderam a cor de tanto serem lavados, pelas "descuidos" fora do lugar...
As caixas deixaram de fazer sentido... não havia quem brincasse com elas!
 
 
Tenho saudades. Imensas saudades. Mudou a minha vida, acentuou o meu jeito de amar...
Há um ano que foi... Foi de vez da minha vida. Mas nunca do meu coração!

domingo, 14 de outubro de 2012

Soft...

O que os outros acham é uma coisa. É o pensamento dessas pessoas.
O que eu sinto é o que eu sinto...
E o tamanho do que sinto só eu sei e mais ninguém...
 
E percebemos o valor dos nossos sentimentos para os outros quando nos dizem que "já está mais soft"...
E se tudo depende da importância que damos às coisas, então, confesso, "mea culpa", continuo a dar demasiada importância a pormenores, ou detalhes, que marcaram por demais a minha vida...
 
E até nos momentos que achamos errados uma simples música toca e abala aquilo a que os outros não dão importância.
 
Apesar de tudo, continuo a achar que...
 

Nasceu a F.O.D.A.S.!!!

Nasceu assim e pronto... F.O.D.A.S.!!!!
 
Uma vez que se fala tanto em extinção e encerramento de fundações, mas não se vê fazer nada, decidimos criar uma.
Sim!
A F.O.D.A.S. acontece sempre que houver vontade!
 
O seu objectivo primordial é... A Amizade, claro! E daí advém:
- Comer muito...
- Beber muito...
- Rir muito...
- Tudo muito, mas sempre visando a AMIZADE!
 
Como tal, nasceu no dia 12 de Outubro, pelas 23:15 horas, a Fundação Organizada e Dedicada aos Amigos à Séria!
 
Parece que vamos abrir um bar, onde serão servidos petiscos e bebidas de inspiração transcendental, nomes tão "sui generis" como "tofodada mista", "grelos a cavalo", mija de seguida", "pau de cavalo", "ovelha negra" ou "baba de cabra"...
 
O que é cada???? Não faço ideia... mas aceitam-se sugestões!
 
O mais interessante: não há qualquer dependência política ou religiosa, nem dever de pagamento... Haja vontade! E muita, se faz favor!

Atrofios Cerebrais...

A malta quando bebe umas coisas assim um bocadito mais fortes arrisca-se a atrofiar o neurónio residente por uns dias... Além de ficar com sede, de água, nos dois dias seguintes!
 
 
Aconteceu-me...
Precisava que me acontecesse...
E hoje ainda ando meio atrofiada ao nível cerebral, porém, as ideias não param de atrofiar-me ainda mais... E eu não tenho capacidade de me lembrar delas todas, nem sequer me ocorre escrever num papel para as partilhar mais tarde...
 
A sangria estava óptima.
O jantar estava fantástico.
A sobremesa bem gulosa...
Mas o que me fez ganhar a noite foi a companhia. Ainda houve quem tentasse desistir, mas vesti o meu papel de "generala", ordenei e pronto.
Confesso que o facto de ser sexta feira e já haver algum cansaço e incapacidade para retorquir também correu a meu favor!
 
Um jantar a três passou a cinco e uma noite a dois passou a duas... Acho eu...
Normalmente durmo com o meu gato! Gato-gato-miau-ronron, de quatro patas que adora morder-me os pés...
Ainda não tenho bem a certeza, mas acho que dormi com uma gata...
ACHO!!! Branca com rabo, olhos e orelhas pretas, miado diferente... Não era o Loki...
 
Volto a afirmar... ACHO! Quero acreditar que sim...
Mas como eu estava na hora em que me deitei, o atrofio cerebral era tão grande, que talvez tudo possa ter sido imaginação minha...
Eu virei-a de barriga para cima e apalpei-lhe as "partes púndicas", não senti as bolas, nem sinal delas, deduzo que seja uma gata... Mas tudo pode não ter passado de um grandessíssimo atrofio cerebral, resultado de uma noite bem divertida e regada com sangria de espumante rosé e frutos vermelhos...
 
Eu sei... Ando inspirada!

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Vistas curtas e lentes de contacto...

A jovem não vê um palminho à frente, é míope e sofre de astigmatismo desde o início da adolescência! Como tal, usa óculos e, pois claro....
 
 
... Lentes de contacto!
Até aí nada de mal, que as diárias descartáveis são óptimas para quem sofre de "vistas curtas ao longe"...
 
A jovem, sem óculos ou lentes, faz um olhar extremamente sedutor, porque fecha os olhos para os "afinar", mas a coisa piora com o tempo e já nem com olhar sedutor se safa. Resumindo: sem os ditos e as ditas não vê a ponta dum corno!!!!
 
A jovem foi, finalmente, ao senhor doutor dos olhos.
Não é dos óculos, é dos olhos!!!! 
Ao oftalmologista.
E o Senhor Doutor disse que a jovem, não tendo dificuldades para ver perto-pertinho, melhor era andar de óculos que não dava azo aos bicharocos atacarem os olhinhos da menina, que  mais parecem duas azeitonas pretas!
Mas a jovem, que é teimosa que nem uma mula, insistiu, porque insistiu, porque sim e ela é que sabia, que "gostava" de usar lentes e pronto. O Senhor Doutor Médico lá prescreveu as ditas e  voltou a sublinhar que o melhor eram os óculos e as lentes "sóóóóó" muito de quando em vez, quando fosse laurear a pevide!
Claro que a ideia da jovem era ter umas lentes fantabulásticas que lhe salvassem o Verão e as idas à praia, evitando levar os óculos para a água ou sujeitando-se a perder uma lente num mergulho, mas apreciando as vistas que, insistentemente, se pavoneavam á frente do seu nariz.
Como dizem lá na terra da jovem: "cagou-lhe o cão no caminho". Saiu com a receita e a graduação nova e foi "um pau"!!!!
 
A diferença???
Passou de -1,50 pelos dois, a -1,50 para a direita e -1,75 para a esquerda! Até parece política!!!
Até aqui nada de novo!
O novo vai na utilização das novas lentes! Nada de mais, aquilo é do melhor e a malta até se esquece que não vê um boi à frente, ou a ponta dum corno ou... whatever...
 
Agora, quando a jovem finalmente percebe que andou quase três meses de lentes trocadas, isto é, usou a graduação errada porque simplesmente não se lembrava qual o olho que via menos, além de não ter a receita com ela...???!!!??? Aí é caso para dizer: TADITA...!!!!
 
Doía a cabeça? Fazia confusão? Via bem???
Não. Não. Às vezes!!!!
E diz-se às vezes, porque a jovem, a partir de hoje deixou de ver "cavalonas" ou gajos feios. A partir de hoje, as mulheres sairam dos andaimes que fazem sentir a jovem uma verdadeira rodas baixas com pouco mais de metro e meio, e os gajos são todos giros.
Porque a jovem hoje, FINALMENTE, usou correctamente as lentes de contacto e que realçam mais os seus olhos, que parecem azeitonas.
 
Mas a jovem, hoje, também não saiu de casa!
Este poderá ser um facto que faz com que amanhã a jovem se sinta de novo uma grande bosta! 
 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Gatos... Miau... Ronron...

 
 
Foi assim quase que o gato ficou quando me viu... E eu a ele... Às 6 da manhã no meio do corredor cá da maison.
 
Pois... Não é nenhum dos meus gatos, mas hoje, finalmente, descobri que tenho um visitante nocturno que vem bufar com o Loki e encher a barriguita com a ração que é dos cá da casa!
 
Eu andava desconfiada que no terraço tinha visitantes, mas este foi afoito e entrou em casa. É pequenito ainda, mais pequeno que o Loki, à excepção do rabo e de um olho negro, é todo branco...
Gato??? Gata??? Sei lá....
Veio comer, bufar com o "mainovo" e deu de frosques!!!
 
Eu acho que a gataria das redondezas já deve saber que eu sou uma lamecha-coração-mole-que-se-apaixona-por-uns-olhos-melosos-e-ternurentos!!!!
Uma noite fora, por parte do Mr. Loki, e dá nisto!!!!
 
Corajoso, o bichano!


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Cenas maradas... Só comigo!

As cenas maradas da minha vida são daquele tipo de me levantar a meio da noite ou estar sossegada e acontecer algo que me deixa estranhamente acagaçada!
 
Eu acho que esta noite fui assaltada por um fantasma que gosta de fazer limpezas... SÉRIO!!!
 
Eram 4:30 horas da madrugada, o passarinho não cantou, mas a aspiração central desatou a trabalhar sem que ninguem a tivesse ligado. Durou para aí uns 3 segundos, o suficiente para eu ficar de sobreaviso e ter dificuldade em voltar a adormecer.
Ainda pensei que era a vizinha do apartamento de cima com limpezas àquela hora... naaaaaa... Não pode ser!
 
Ora às 7:20 horas, o raio do sistema voltou aaos berros... E repetiu a proeza às 9 e às 10:45...
 
E afinal ERA MESMO NA MINHA CASA! Passei-me!!!
Como resolvi??? Desliguei do quadro geral!!!!
 
Nesta casa não há cá fantasmas que trabalhem fora de horas!!!! Era só o que faltava!!!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Everything that i am...

Há momentos em que olhamos para nós e percebemos o que somos e o que queremos ser ainda... Não é Ter. É Ser!
E eu??? Quero mesmo muito voltar a sentir o que já senti. Ou ainda mais.
 
De repente, vejo-me a meio de uma escadaria e, o que antes fazia parte de um horizonte, que me dava alento para subir mais um degrau e descobrir a delícia da escalada, da descoberta, deixou de existir.
Não me apetece descer as escadas. Não quero. Não me permito a tal.
Não consigo subir mais. Nada se desenha no horizonte e cansei-me de imaginar o que não existe.
Estou, simplesmente, parada num degrau. Quem sabe, afinal, não há mais degraus... Talvez o horizonte seja plano, demasiado plano e sem brilho!
 
 
Disseram-me, um dia, que o meio da vida é agora, nesta idade...
Porque estamos mais maduros, mais conscientes das nossas capacidades, dos nossos limites. Porque sabemos o que queremos. E eu acho que é o que "QUEREMOS SER".
 
E eu???
Só quero mesmo SER... Aquilo que já senti! Ou mais! Muito mais!
Quero sentir que vale a pena.
SER.
TUDO O QUE EU SOU!
 
 
 


domingo, 16 de setembro de 2012

A pedido de algumas familias....

À conta de deixar malta no Facebook de água na boca com as "travias culinárias" que faço, resolvi, então, partilhar a receita da "BERINZANHA DE LEGUMES"...
Digamos que a receita inicial que me foi facultada foi adulterada com outros ingredientes, tendo-lhe ainda acrescentado uma dose escandalosamente brutal de um outro, muito especial!!!
Então, para a BERINZANHA DE LEGUMES aqui vai a receita...
Ingredientes:
Azeite, 1 cebola, 5 dentes de alho, alho francês (preparado para sopa), 1 courgette, cogumelos frescos, tofu, 2 frascos de molho de tomate basilic, queijo ricotta, 2 iogurtes naturais, 2 ovos, farinha maizena, molho béchamel, beringela, coentros, sal, pimenta e noz moscada.
Para iniciar:
1. Deixar transparecer no azeite (1 ou 2 colheres sopa) 1 cebola e 5 dentes de alho, picados;
2. Juntar 1 pacote de alho francês, 1 embalagem de cogumelos frescos (cortar os bocaditos) e 1 courgette (também cortada aos bocaditos). Misturar no refogado e deixar absorver um pouco o azeite;
3.  Adicionar uma barra de tofu prefiamente cortada aos quadradinhos;
4. Quando estiver tudo misturado, adicionar molho de tomate (eu uso 2 frascos de "tomate basilic" da Fiorini de 420 g, à venda no InterMarché - marca branca que a malta não pode gastar muito dinheiro), sal, pimenta e noz moscada. Mexer o preparado de forma a ficar homogéneo. Tapar e deixar apurar um pouco... uns 5 minutos.
Nos entretantos corta-se as beringelas às rodelas fininhas e faz-se o molho:
2 iogurtes naturais, 1 colher sopa de farinha maizena, 2 ovos, uma embalagem de molho béchamel, sal, pimenta, noz moscada... tudo batido com a batedeira (ou à mão se quiserem exercitar os musculos dos braços!!!)... no fim, juntar uma mãos cheia de coentros bem picadinhos.
Voltado ao episódio anterior:
Está tudo apuradinho??? Então juntar um queijo ricotta aos bocaditos e uma mão cheia de coentros picadinhos ao preparado dos legumes, e mexer suavemente de forma a misturar tudo.
Num pirex que vá ao forno vai-se dispondo:
Uma camada de molho, uma camada de beringela cortada às rodelas fininhas, uma camada do preparado de legumes...molho, beringela, legumes.... até acabar, sendo que a ultima camada é da beringela e o molho por cima.
Vai ao forno, previamente aquecido, cerca de 10 minutos ou até ficar ligeiramente dourado...
E depois????
É deliciar-se...
Claro que em vez dos legumes pode usar-se carne... Claro que em vez da beringela pode usar-se as folhas de lazanha...
Como gosto de inventar... pareceu-me muito bem esta ideia, é leve e sai muito bem!
E o ingrediente especial???? AMOR ÀS CARRADAS!!!!
Não se inibam de colocar muito... qualquer "travia" sai sempre uma especialidade com qualidade de "estrela michellin"!!!